top of page

Frustração. Quem nunca?


Frustração. Quem nunca?

Frustração. Quem nunca?


Frustração é o que se sente quando queria tanto algo, mas não aconteceu. É sobre ter expectativa, desejar, sonhar, esperar e no fim... não realizar. Ou, pelo menos, não realizar do jeito almejado.


É fazer planos e então descobrir que a vida já tinha traçado planos para você.

Com as frustrações você entende que a vida é em frente, mas ninguém disse que seria em linha reta. No caminho há altos e baixos e até looping.


Algumas vezes a estrada pela qual você seguia, ou a vida como ela era, deixam de existir. Em situações assim, é natural sentir frustração. Como é difícil quando as coisas acontecem diferente da forma que imaginamos. O que complica, é quando a gente cola os pés no solo da frustração. Quando acreditamos que, se nos segurarmos aos destroços, poderemos reconstruir a nossa embarcação.


Ou seja, nos apegamos ao que poderia ter sido. Desejamos retornar ao lugar, à vida, à situação de onde não escolhemos sair. Saíram com a gente. O apego é essa corda que amarramos a algo, ou a alguém. Limita nosso olhar ao que não foi, e nos impede de vislumbrar o que ainda pode vir a ser.


Na tentativa de evitar a frustração, negamos e resistimos em compreender que a estrada prevista foi interditada. E sofremos.


O medo que sentimos é o não suportar e se afogar em dor. Mas o que realmente sufoca, é construir uma barragem dentro do peito e represar os sentimentos. Isso sim, nos paralisa.


E o que a gente faz quando nossos pés estão colados no solo da frustração e do apego?

O primeiro passo é romper a barragem no peito e se libertar para sentir a dor pelo que não foi e nem nunca será. Então, se desapegar dos “E se?...” que nos retém ao passado.


O próximo passo será abandonar os pesos, soltar as bolas de ferro presas nos pés. Sentir e soltar para seguir em frente.


Então, se permitir flertar com um caminho novo e outro jeito de olhar. Compreender que a vida não é um roteiro fechado e assim se abrir para viver novas histórias.


Aceitar e cuidar do inesperado e nem sempre desejado. Se olhar com paciência, amorosidade e respeito. Crer que há luz no fim do túnel, mas que será necessário, atravessá-lo para encontrar o que lhe reserva o amanhã, do lado de lá.



Comments


bottom of page